Exigência do e-Social deve ficar para 2017

Empresas já estão se preparando para a entrada em vigor do novo sistema de arrecadação no País

 

A previsão inicial era de que o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (e-Social) entrasse em vigor para as organizações de grande e médio portes em abril, o que não ocorreu. A nova data seria setembro, mas para o advogado especialista nas  áreas  trabalhista

e previdenciária, Rodrigo Dolabela, a implantação deverá ocorrer somente no ano que vem. Isso porque, o manual publicado pelo governo federal prevê ahabilitação de um período de adaptação seis meses antes do cumprimento da exigência.


De toda maneira, o sistema já está se tornando uma realidade para as empresas brasileiras, que precisam se atualizar e se preparar para quando o sistema entrar em vigor. Ainda assim, muitas ainda não estão se preparando e poderão receber multas e outras punições.
Visando justamente orientar as  empresas mineiras, a Federação das  Indústrias  do Estado de  Minas

Rodrigo Dolabela explica as mudanças do e-Social no projeto         

 Gerais (Fiemg), em  parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas  Gerais

"Rotas para o  Futuro" /Uarlen Valério/Fiemg                                      

 (Sebrae Minas), realizou  uma  série  de encontros no interior do Estado para debater e informar sobre o tema, dentro do projeto “Rotas para o Futuro”.Nesta primeira etapa,  o  projeto  percorreu 11  municípios e vai encerrar os trabalhos em Belo Horizonte, na próxima quinta-feira. A próxima fase está sendo estruturada e vai ser realizada nos próximos meses.


De acordo com Dolabela, o e-Social vai alterar a rotina das empresas e as organizaçõesprecisam estar preparadas para o momento de transição. Segundo ele, a implantação do sistema visa a simplificação da prestação de contas das instituições e, ao mesmo tempo, aumentar a fiscalização e, consequentemente, a arrecadação por parte do governo federal.

“Vai simplificar, mas também vai onerar, porque as empresas precisam se estruturar para esse novo momento. Elas terão que investir fortemente em tecnologia da informação (TI) e qualificação de mão de obra. Para se ter uma ideia, uma empresa que tenha mil funcionários, chegará a enviar ao sistema cerca de 3,5 mil documentos por mês”, explica.

Ainda conforme o especialista, um total de dez segmentos dentro de uma mesma empresa serão afetados pelas mudanças. São eles: recursos humanos, departamento pessoal, fiscal, contabilidade, financeiro, jurídico, TI, segurança do trabalho, medicina do trabalho e administrativo. Já as empresas de pequeno porte deverão recorrer a escritórios de contabilidade para a realização do processo. No entanto, os gestores precisarão ficar atentos, pois a terceirização dos trabalhos será uma opção onerosa e perigosa. “Qualquer erro no envio das informações implicará em multas que deverão ser honradas pela empresa contratante”, diz.

 

Fonte: http://www.diariodocomercio.com.br/noticia.php?tit=exigencia_do_e-social_deve_ficar_para_2017&id=170628Ok